Podium_Helsinki_1952_g

TETSUO OKAMOTO

Temos o prazer de anunciar o primeiro atleta a figurar no Hall da Fama da Natação Brasileira: TETSUO OKAMOTO!!!

Se tivesse dois meses de Helsinque eu iria disputar o primeiro posto” – declaração de Tetsuo Okamoto para o jornal Última Hora em agosto de 1952, após conquistar a inédita medalha olímpica para a natação brasileira.

A declaração acima pode parecer exagerada se olharmos simplesmente o resultado da final, onde o norte-americano Ford Konno chegou um pouco mais de 21 segundos a frente de Tetsuo Okamoto, mas se relembrarmos um pouco da história desse grande nadador brasileiro, começamos a acreditar que isso poderia ser possível mesmo.

À esquerda Shiro Hashizume do Japão, ao centro Ford Konno dos Estados Unidos e à direita Tetsuo Okamoto do Brasil. Podium da sensacional final dos 1500 metros dos Jogos Olímpicos de Helsinque de 1952.

À esquerda Shiro Hashizume do Japão, ao centro Ford Konno dos Estados Unidos e à direita Tetsuo Okamoto do Brasil. Podium da sensacional final dos 1500 metros dos Jogos Olímpicos de Helsinque de 1952.

Tetsuo começou a nadar aos sete anos de idade em Marília-SP, pois tinha asma e recebeu a recomendação de seu médico para praticar a natação, como inúmeras crianças que até hoje começam a nadar por esse motivo. Aos quinze anos de idade Tetsuo foi convidado a nadar no Yara Clube de Marília, que possuia uma forte equipe de natação e com isso a qualidade do seu nado foi melhorando e o seu talento começou a ficar evidente na natação brasileira, mas foi somente com dezessete anos que o salto de qualidade de Tetsuo começou a acontecer. No ano de 1949 uma equipe de nadadores japoneses, conecidos como os “Peixes Voadores” fizeram uma longa excursão pela América, ficando dois meses treinando em cidades brasileiras e Tetsuo teve o privilégio de poder acompanhar esses nadadores que eram a atual sensação no mundo. Ao acompanhar os treinamentos, Tetsuo descobriu vários “segredos”, um deles era o volume de treinos, pois em Marília ele treinava uma média de 2.000 metros diários e os “Peixes Voadores” treinavam 10.000 metros, com séries muito diferentes.

HashizumeApós esse intercâmbio Tetsuo voltou determinado para Marília e passou a treinar dois períodos para cumprir a metragem realizada pelos japoneses, dizendo: “Se eles podem, eu também posso”. Em 1950 os treinos deram resultado e Tetsuo conseguiu vencer o campeonato paulista e o brasileiro, superando também o recorde brasileiro nos 400 livre. Esses resultados garantiram a presença de Tetsuo nos Jogos Pan-Americanos de 1951 em Buenos Aires. Algumas semanas antes do Pan, Tetsuo foi o primeiro brasileiro a nadar os 1500 metros abaixo dos 20 minutos, trucidando o recorde brasileiro e o recorde sulamericano com a marca de 19:24:3. No Pan de Buenos Aires o clima era muito hostil com os brasileiros e a competição foi muito tensa, mas isso serviu para motivar Tetsuo a conquistar 2 medalhas de ouro, nos 400 livre e 1500 livre e a prata nos 4×200 livre, com direito a novo recorde sulamericano nos 1500 livre. Tetsuo foi recebido com muita festa e chegou a ganhar um carro de presente em Marília, mas teve que devolvê-lo pois seria proibido de nadar os Jogos Olímpicos se aceitasse o presente.

Tetsuo Okamoto e seu maior rival na época, o mexicano Tonatiuh Gutiérrez, no Pan-Americano de Buenos Aires em 1951.

Tetsuo Okamoto e seu maior rival na época, o mexicano Tonatiuh Gutiérrez, no Pan-Americano de Buenos Aires em 1951.

Após as comemorações do Pan, Tetsuo voltou sua dedicação para os treinos e agora o foco eram os Jogos Olímpicos de Helsinque. Em março de 1952 Tetsuo mostrou que estava preparado e conquistou três ouros no campeonato Sulamericano de Lima, no Peru, vencendo os 400m, 800m e 1500m. Essas provas tiveram dobradinha brasileira, com Sylvio Kelly dos Santos chegando em segundo. Nesse ano, Sylvio passou a ser o grande rival de Tetsuo nas provas de fundo. No mês de maio de 1952 Sylvio Kelly qubrou os recordes sulamericanos de Tetsuo nos 800m e 1500m. Será que a hegemonia de Tetsuo chegara ao fim no Brasil?

Em junho de 52 o inverno chegou com força em Marília e Tetsuo ainda tentou treinar nas águas geladas do Yara Clube de Marília, mas não conseguiu, sendo obrigado a parar os treinos por uma dezena de dias. Em julho Tetsuo partiu para Helsinque, um pouco desanimado pois não era mais o melhor do Brasil, não conseguiu treinar como queria e teria que enfrentar os peixes voadores japoneses nos Jogos Olímpicos. A ida com bastante antecedência para a Europa foi boa, pois ele trocou o rigoroso inverno paulista pelo verão finlandês e teve a grata surpresa de encontrar uma piscina aquecida em Helsinque. Faltavam duas semanas para Tetsuo fazer sua estréia em Jogos Olímpicos e ele resolveu fazer o que sabia fazer muito bem, treinar duro para recuperar o tempo perdido. A estréia de Tetsuo foi nos 400m livre e o tempo obtido foi perto do seu melhor, dando o ânimo necessário para a prova de 1500.

31 de julho de 1952 – a eliminatória dos 1500 livre

Tetsuo nadou muito bem a sua série, chegando em primeiro lugar, com o surpreendente tempo de 19:05:6, recuperando novamente o recorde sulamericano. Sylvio Kelly não nadou bem, fazendo o tempo de 19:26:8, 19 segundos pior do que seu recorde sulamericano, ficando de fora da final dos 1500. As séries eliminatórias dos 1500 foram muito fortes e todos os finalistas superaram o antigo recorde olímpico, fato impensável nos dias de hoje. O peixe voador Shiro Hashizume abaixou o recorde olímpico em 38 segundos, com o tempo de 18:34:0. O americano Ford Konno classificou-se em segundo. Tetsuo classificou-se para a final com o quarto tempo, a frente do campeão olímpico de 1948, o americano Jim Mclane e do outro peixe voador japonês, Yasuo Kitamura. O ouro parecia ter dono, pois Hashizume nadou com facilidade a eliminatória e os outros nadadores iriam brigar pela prata e pelo bronze.

FinalistasA final da prova foi no dia 02 de agosto de 1952. Tetsuo estava muito ansioso na véspera da prova e não conseguiu dormir, passando a noite em claro conversando com o chefe da delegação brasileira.

02 de agosto de 1952 – A grande final dos 1500m livre

Final dos 1500 metros nado livre - foto retirada do site Best Swimming.

Final dos 1500 metros nado livre – foto retirada do site Best Swimming.

A final dos 1500m foi sensacional. Os jornais da época classificaram essa prova como “Um dos maiores duelos aquáticos dos Jogos Olímpicos Modernos”.

Gazeta Esportiva 03 Agosto 1952Reproduzo abaixo as parciais disponíveis da prova, publicadas por Pedro Junqueira no site Best Swimming (O inesquecível Tetsuo – Parte II):

Parciais da FinalHashizume saiu num ritmo muito forte, disposto a definir a prova logo no início, mas Konno e Tetsuo também forçaram muito e acompaharam de perto a arrancada de Hashizume até os 600 metros. Tetsuo cansou e foi perdendo o contato com os líderes da prova e ao mesmo tempo McLane começou a caçar Tetsuo em busca do bronze. Nos 1200 metros Konno e Hashizume viraram praticamente juntos e McLane estava praticamente colado em Tetsuo. Konno realizou uma arrancada sensacional nos últimos 300 metros, atropelando o peixe voador japonês e estabelecendo o novo recorde olímpico da prova, melhorando em 4 segundos a marca obtida por Hashizume na eliminatória. A briga pelo bronze olímpico foi mais sensacional ainda, com McLane virando junto com Tetsuo nos 1300 metros e virando na frente nos 1400 metros. Parecia que o Brasil iria amargar um quarto lugar, já que uma arrancada dessas é quase impossível de reverter nos 1500 metros. Nos 1450 metros McLane ainda virou na frente, mas Tetsuo conseguiu arrancar forças sabe-se lá de onde para bater na frente de McLane por dois décimos de segundo, em uma reviravolta incrível. Tetsuo e McLane fecharam os últimos 100 metros em uma parcial mais forte que Konno, o campeão da prova. O público vibrou muito com essa prova e aplaudiu o podium “japonês” dos Jogos Olímpicos de Helsinque.

Resultado da FinalTetsuo superou os recordes sulamericanos dos 500 metros, 800 metros e 1000 metros nas parciais dessa prova dos 1500, porém esses recordes não foram homologados, já que eram parciais de prova, sem cronometragem oficial.

Seja bem-vindo ao Hall da Fama Tetsuo!

Por obter esta sensacional medalha olímpica nos 1500 metros nado livre e pelas medalhas obtidas nos jogos Pan-americanos, além dos recordes brasileiros e sulamericanos obtidos, Tetsuo Okamoto é o primeiro membro do recém fundado Hall da Fama da Natação Brasileira.

Preparamos um certificado para registrar essa homenagem a Tetsuo Okamoto e pretendemos entregá-lo para algum familiar ou amigo de Tetsuo.

Certificado Tetsuo Okamoto

Slideshow em homenagem a Tetsuo Okamoto:

 

Nos arquivos abaixo estão alguns recortes de jornal fornecidos por Osmar Baptista Silva, que possui um acervo invejável de reportagens sobre natação. Gostaria de registrar um  agradecimento especial ao Osmar, que preservou esse importante material.

Gazeta Esportiva 05 Junho 1952 Gazeta Esportiva 09 Setembro 1952 Reportagem 03 Agosto 1952 Reportagem_Eliminatoria Ultima Hora 03 Agosto 1952

Seguem algumas referências sobre Tetsuo Okamoto na internet:

Os excelentes artigos de Pedro Junqueira na Best Swimming:

Reportagem da revista Nippon:

Posts de Carlus Maximus e de Alexandre Sakai:

Veja Online:

Terceiro Tempo

Wikipedia:

3 Comments on “TETSUO OKAMOTO

  1. Pingback: mut 18 coins sale

  2. Pingback: buy cheap MUT 18 coins

  3. Pingback: Madden 18 news

Coloque o seu comentário